sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

A COISA E A COISIFICAÇÃO HUMANA - poema, poesia, filosofia

Autor: Áureo João de Sousa*
Teresina/PI, 10.02.2010

Hoje, eu adquirir uma Coisa.
É bela; assim eu aprendi a adorá-La;
É valiosa; por isso guardo e A protejo com segurança e vigilância permanentes;
É exclusiva, singular, apesar de não parecer;
Veio ao mundo para mim; ou melhor, eu estou neste mundo para reverenciá-La!!!

Hoje, eu tenho uma Coisa.
É divina em mim;
É tão intensa Sua presença em mim que parece que Ela é que tem a mim;
É fortemente desejada por outras pessoas também, mas nem todas A tem; por isso, devo enaltecê-La, exibi-La, sempre;
É fascinante fonte de poder e atração mágica; por isso, devo reservá-La, escondê-La, para não perder sua exclusividade comigo, sempre;

Hoje, eu recebi a graça de uma Coisa. Posso sentir. Sinto!
É uma Coisa que nutre minhas alegrias cotidianas;
Com Ela, sinto ânimos por causa de Sua companhia;
Com Ela Mesma, também sinto medos, por causa do que representa Sua Companhia Mesma;
Toma-me o medo de não adorá-La o suficiente para merecê-La;

Ontem, minha vida se fazia sem Sua presença onipotente, onisciente, onipresente;
Sem tê-La em minha alma e em meus pensamentos, pobre de mim, não sabia da suma importância dessa Coisa em minha existência;
Tal como Deus, senão Ele mesmo inefável, oferece-me os desígnios de proteção e perigo;
Frágil criatura, tenho medo de que minha devoção não Lhe seja da medida requerida;
Obediente, sob proteção e ameaça de sua divina força, aumento minha adoração para suplicar e merecer a presença de seu espírito e de suas obras em minha alma, em meus pensamentos, em minha comida, em minha bebida, em minhas vestes, em meu abrigo; em meu ser, saber e fazer no mundo;

Amanhã, minha vida será em dedicação maior e melhor à Suma Coisa; senão criadora de mim, mas senhora de meu destino;
Em Sua devoção, eu Lhe farei oferenda todos os dias de minha vida;
Eu Lhe oferecerei valores maiores que todos os dízimos das religiões antecedentes,
Eu Lhe oferecerei meu suor, meu sangue, meu trabalho, minha inteligência;
Eu Lhe farei sacrifício maior do que fizeram Moisés e Abraão a Deus; não só um filho primogênito ou um cordeiro, mas todos os meus filhos varões e as filhas, de todas as esposas, mais as esposas também; e os filhos dos filhos e das filhas; os ancestrais e os descendentes; e os carneiros e animais outros.
Amém!

Manifesto de coisificação, Deus mais poderoso não se revela, religião maior não há;
Todas as devoções e oferendas são pequenas aos Seus pés,
Verossímil ao Uno, tudo agregado em minha vida procede da emanação de seu poder,
No leito dessa processão, presto-Lhe louvor com fé absurda até que a morte me abata;
Mas quando eu morrer, quero meu corpo embalado em tecidos e ornamentos que possam Lhe guardar referência e fiel reverência; e meu túmulo ostentará sua representação, para contemplação dos vivos.
Que assim seja!

Coisa de destino infalível,
Dobro-me ao Seu divino determinismo dado a este mundo, por mérito ou castigo;
Meus dias todos começarão e encerrarão assim, de modo sempre previsível em Seu culto,
Assim seja para sempre, salvo este mundo como tal se acabe, por intempéries naturais ou por desobediência própria do gênio humano inacabado, inquieto, insatisfeito e imprevisível na História; dessa crise, muitas divindades haverão de mudar de lugar; A Coisa, certamente, haverá de ocupar outro plano.
Aleluia!

REFLEXÃO:
1.A coisa, a mercadoria, o objeto de consumo capitalista, hoje, é uma Divindade poderosa, perante a qual dispomos nossas vidas, em sua oferenda, todos os dias, de modo tão intenso que somos acometidos de sofrimentos quando, em uma data apenas, deixamos de viabilizar sua oferenda requerida, seja na sua forma objetivada, materializada, seja em suas formas subjetivas e intersubjetivas.

2.Você presta adoração para alguma Coisa?

*Áureo João de Sousa é servidor do INCRA-PI e tem fortes vínculos com os Movimentos Sociais, quem quiser acompanhar um pouco mais de seu textos é só acessar http://www.aureojoao.blogspot.com/

1 comentários:

Você acha que a poesia pode mudar o mundo???

Poesia e Evolução Humana
Ensaio sobre a importância da poesia para a humanidade
Autor: Orácio Felipe
Descrição :
Qual a contribuição da Poesia para a evolução da humanidade? Numa rápida abordagem conversamos com os leitores sobre o significado e importância da poesia para "derreter" as algemas que muitas vezes nos aprisionam. A poesia é também uma manifestação simbólica, que revela o universo do autor mas também influi no universo do leitor, proporcionando uma expansão da consciência. Em muitos casos leva até a revolução. Listando algumas poesias e músicas evidenciamos momentos onde a evolução cultural beirou a revolução e libertou. Quiçá pudéssemos alimentar nossos educandos com boa literatura desde tenra idade.

www.clubedosautores.com.br

Postar um comentário